Publicidade
Quarta-Feira, 04 de Outubro de 2017 - Hora:08:50

Grávidas deveriam fazer testes do vírus da zika várias vezes durante a gestação, diz pesquisa

Estudo foi feito pela Famerp, em Rio Preto (SP). Em cinco gestantes o resultado deu positivo mesmo após a carga ter zerado em exames anteriores.

 

Uma pesquisa desenvolvida pela Famerp, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (SP), apontou a importância de se fazer mais de uma vez o teste do vírus da zika em grávidas durante a gestação.

 

O estudo sugere que o resultado negativo obtido em um único exame pode não ser suficiente para tranquilizar familiares e médicos.

 

O trabalho, apoiado pela Fapesp, começou no ano passado, quando surgiram os primeiros casos de vírus da zika em Rio Preto. A pesquisa incluiu 13 mulheres em diferentes estágios da gestação, atendidas no Hospital da Criança e Maternidade de Rio Preto. O estudo será publicado em novembro na revista Emerging Infectious Diseases.

 

De acordo com o professor, em cinco gestantes o resultado voltou a dar positivo para a presença do vírus mesmo após a carga ter zerado em exames anteriores. Em todos os casos, o causador da doença desapareceu do organismo logo após o parto.

 

“O que a pesquisa sugere é que um exame pode não ser suficiente, então seria importante repetir mais vezes. Agora a periodicidade dos exames não podemos dar com exatidão porque precisaríamos de um número maior de gestantes na pesquisa”, afirma.

 

Nogueira aponta que o ideal seria repetir o exame pelo menos mais duas vezes nas gestantes, mesmo nos casos em que o resultado do teste molecular dá negativo. “Costumamos fazer esse tipo de exame com amostras de urina por ser mais fácil de obter e também porque no sangue a carga viral é ainda mais baixa e desaparece mais rapidamente”, diz.

 

Os casos 

Três das mulheres acompanhadas no estudo tiveram bebês com complicações provavelmente causadas pelo zika – dois apresentaram alterações nos testes de audição e um nasceu com um cisto no cérebro. Alguns dos bebês não apresentaram a microcefalia.

 

Não foi possível estabelecer uma correlação entre o número de vezes que o vírus foi detectado na mãe e a ocorrência de desfechos adversos. “Para isso serão necessários novos estudos com um número maior de participantes”, conclui Nogueira.

 

Enquetes
Diante das acusações, Michel Temer ficará na Presidência até o fim do mandato?
Fale conosco
Itupeva - Sp - Brasil
Contato comercial: Herikson Almeida
Telefone 11 9.9674-9857 - 11 9.4866-5716
Email: contato@gazetadeitupeva.com.br
Contato redação:
Email: redacao@gazetadeitupeva.com.br
Formulário de Contato
Copyright © 2013. Portal de Notícias Gazeta de Itupeva.
Todos os Direitos Reservados
Programador PHP